Postagens

Mostrando postagens de Março, 2012

um anjo em s. luiz

Um Anjo em S. luiz
Passei o final de semana lendo o livro do Carlos Solera sobre S. Luiz do Purunã e na segunda me mandei para lá a fim de investigar algumas coisas nas quais já venho trabalhando algum tempo mas que voltaram à tona trazidas pelo texto e as pesquisas deste autor. Resolvi retornar pela estrada da Faxina pensando encontrar Seu Áureo e aproveitar para registrar sua história de Boi-tatá. Quando me preparava para entrar na estradinha em frente ao campo de futebol percebi logo à minha frente um caminhão carregado de toras. Afim de não ficar atrás dele comendo poeira a dez por hora fiz uma ultrapassagem forçada, pela direita, aproveitando um pequeno pátio onde estava estacionado um trator no qual passei raspando, pois a potência exagerada da minha caminhonete v6 fez com que derrapasse para um lado e outro, mas levei-a nas mãos e gostei da brincadeira, de modo que, feita a ultrapassagem, continuei acelerando serra abaixo pela estradinha precipitosa e cheia de curvas. Senti…

BOI TATÁ DO FAXINAL

BOI TATÁ
Contou-me seu Áureo esta história incandescente. Ele vive às margens do Assunguí, numa casinha singela, tão simples, clara e limpa que mais parece poesia. Nem sempre foi assim o Seu Áureo. Quando o conheci, cerca de quinze anos atrás, era um homem irracível e mau humorado. Vivia, nesse tempo, com a esposa e muitos filhos. A esposa se foi. e os filhos também e ele acabou se tornando um velho solitário e mesmo assim, ou talvez por isso mesmo, afável e feliz. Adora contar causos, bastando apenas provocá-lo. Difícil é fazê-lo parar. Com uma técnica sofisticada que entremeia o fim de uma com o começo da outra, de modo a não dar espaço e oportunidade para que o espectador se vá, as historias vão saindo, uma atrás da outra. “Nesse tempo não tinha luz poraqui e a gente ia nas sexta feira de noite tomá uns trago no boteco” contou Seu Áureo. Disse que o cara que nesta noite por lá apareceu tinha um olhar que não permitia recusas, de modo que quando o convidou para tomar uma ping…
Expedição a Três Córregos
Sete e meia da manhã. Um sol bonito e inclemente brilha pressagiando o calor infernal que irá fazer depois do almoço, mas, depois do almoço ainda tá longe, de modo que, dando a partida em minha caminhonete, a qual demora um pouco em pegar, causando-me alguma apreensão, como gosta de fazer, me ponho a caminho. Faço filmes e fotos, e, duas horas depois estou na estrada de Santa Cruz, onde constato haver esquecido de levar a chave da moto que repousa impaciente sobre a caçamba, como que pedindo para devorar aqueles caminhos convidativos. Lembro que o proprietário anterior mora na região e resolvo procurá-lo. Talvez tenha uma cópia da chave, penso comigo. Sigo em frente até encontrar uma espécie de oficina com uma placa exótica e um 'papa-vento' esquisito. Enquanto fotografo a placa, o papa-vento e a paisagem, surge um homem. Bom dia! Cumprimento. Responde e me olha meio desconfiado, meio intrigado, finalmente pede para que eu tire os óculos escuro. Voc…
Imagem
uma amiga
        um violão
                     uma cabana

Imagem
                                                            TEATRO MÁGICO
                                                  só para raros, só para poucos